APAE Limeira promove 3º Simpósio de Equoterapia

Com o objetivo de promover a atualização de conhecimentos e estudos em relação à prática e teoria dos atendimentos de equoterapia no país, sobre um prisma interdisciplinar, bem como divulgar o trabalho realizado pelo Centro de Equoterapia da APAE de Limeira, ocorreu na última sexta, 16, o 3º Simpósio Interdisciplinar de Equoterapia Apae Limeira (SIEAL).

Durante o dia foram apresentadas palestras com especialistas que falaram de diferentes temas. A psicóloga Juliana do Prado falou sobre “A Deficiência Intelectual na Equoterapia. A vivência no Centro de Equoterapia APAE Limeira”.

Os organizadores lembraram que em 2019, no mês de maio, o Governo Federal sancionou a Lei 13.830/2019, que regulamenta a Equoterapia como método de reabilitação de pessoas com deficiência.

Segundo a coordenadora do Projeto e do evento, Ana Paula Marini, o simpósio se solidifica a cada ano e está cada vez melhor avaliado segundo as pesquisas realizadas com os participantes.

“Foi um dia de grande aprendizado, com palestrantes renomados que souberam envolver os presentes durante a explanação das temáticas, fomentando a participação através de perguntas e relatos de experiências” comentou Ana Paula.

Ainda segundo ela, nesta terceira edição o público foi bastante diversificado com psicólogos, fisioterapeutas, pedagogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, fonoaudiólogos, universitários, tratadores, equitadores, monitores e gestores de outros centros de Equoterapia. Doze municípios da região estiveram representados.

“Destaco o trabalho de nossos profissionais, sempre engajados e envolvidos, não medindo esforços para concretizar as ações planejadas com eficácia”, finalizou.

 

O projeto de Equoterapia na APAE Limeira

 

Em 2014 nasceu o Centro de Equoterapia APAE Limeira, planejado pela equipe terapêutica do programa CPC- Centro Profissionalizante e de Convivência.

Desde sua criação, o Centro adquiriu uma estrutura que conta com picadeiro, redondel, piquetes e baias para três cavalos que compõem a tropa. Em cinco anos foram triplicados os atendimentos, o Projeto se filiou à ANDE Brasil em 2016, buscando formações contínuas da equipe.